segunda-feira, 17 de setembro de 2007

O mundo de Pablo Neruda...


«A poesia acompanhou os agonizantes e estancou as dores, conduziu às vitórias, acompanhou os solitários, foi ardente como o fogo, leve e fresca como a neve, teve mãos, dedos e punhos, teve brotos como a primavera, teve olhos como a cidade de Granada, foi mais veloz do que os projécteis dirigidos, foi mais forte pelas fortalezas: deitou raízes no coração do homem.»




Era assim que Pablo Neruda via o seu mundo: a poesia. O mundo que o fez experimentar as mais diversas sensações da vida, como a glória de se ser Nobel e a angústia de amores falhados. O mundo que deu livros e um filme. O mundo que durante esta semana irá ser recordado no Frequência Jovem.

1 comentário:

yaleo disse...

Pabblo um excelente poeta, dos meus preferidos.
Merece bem ser destacado, pela sua inquietude que o fez dar a conhecer ao mundo uma vida para lá daquela que nos parece original, um verdadeiro poeta...eu diria o poeta dos sonhos.