terça-feira, 2 de outubro de 2007

Aleluia! Terror num cinema perto de si...

E as modas param assim: muito sangue, violência, e um uso descomunal dos efeitos técnicos, nomeadamente sonoros. Falo do cinema de terror, pois claro! A verdade é que as boas propostas (a existirem) não se vêem no mercado, ou exigem um faro do consumidor muito apurado para estas coisas. O que se tem passado no cinema de terror é, repito, um abuso das capacidades técnicas actuais e a busca por um facilitismo que só se compreende por quem não tem amor á arte, mas sim aos lucros fáceis. Até porque todos sabemos que, no fundo, se, nem que seja em segundos, depois de um silêncio aparente, nos “rebentarem” os ouvidos com os gritos estridentes de alguém, ai nós saltamos com certeza! Mas isto não é cinema de terror! E não basta também pôr umas caras bonitas a correr descontroladamente (preocupadas mais com a sua aparência para a câmaras do que outra coisa) numa história que se inventará como real! Ah e, por favor, não usem “ O filme mais polémico do ano”, quando a polémica é exactamente o estrondo de bilheteira numa nulidade cinematográfica… Percebem-me a frustação, aqueles que viram, por exemplo, um Psycho ou um The Shining e deparam-se agora com um terror Paris Hilton (sem ofender a moça, que tem os seus dotes físicos!).


E não nomeei estes clássicos de Hitchcock e de Kubrick, por acaso, não senhor! É que com tanta revolta evidente, encontrei duas boas propostas no género, baseadas nos ditos cujos! Vá lá, não são assim BONS, mas no campo actual têm os seus méritos. Comecemos por O Motel um trabalho que num daqueles (errados) prognósticos, mas que os fazemos (admitamos!), poderia parecer deja vú! Um remake de um clássico (Psycho), um casal como protagonista numa daquelas enésimas situações em que, no desvio da auto-estrada, vão encontrar um motel a querer dar o ar de sua graça! Mas porque “ as aparências enganam”, e não fosse isso eu não estaria aqui a falar dele, O Motel foge em muitos pontos ao habitual “terror” praticado actualmente. É feito à moda antiga (bem ditas tradições!), a sensação da claustrofobia é grande, nos protagonistas o medo é sentido de forma “real” e transmitido aos espectadores. Ora, e claro, boa química entre o casal Kate Beckinsale e Luke Wilson! Os méritos caem obviamente (e também) no realizador californiano de origem húngara Nimród Antal. O principal defeito é aquele final incompreensível, em que me arrisco a propor, ao autor de tão idiota ideia, umas “férias” naquele Motel. Porque se merecia, lá isso merecia… De Hitchcock, vamos para Kubrick e para Stephen King. E pelo menos o realizador não desonra tão brilhantes nomes que se lhe associam ao filme! E em 1408 também poderíamos prever (e temer) um mau resultado, mas não! O trailer não é favorável, a história tinha tudo para ser um fracasso: um escritor que faz dinheiro a desmistificar assombrações, descobre um quarto num hotel nova-iorquino cuja gerência faz questão de o manter fechado a sete chaves. E digo que tinha tudo para fracassar, já que o espaço é muito limitado, baseado numa única personagem (interpretada aqui por John Cusack) e para isso é preciso a sua mestria! E (aplausos!), o realizador não faz uso abusivo das tentações visuais computorizadas, mas aposta na criação da atmosfera e do ambiente. A montagem sai também com nota positiva, e à David Lynch, há quase um “cada um tira as suas próprias conclusões”. Merecia mais uns sustos valentes, é certo, mas, como disse, não é BOM, é (surpreendentemente) agradável. Ou desagradável…
Classificação (O motel / 1408):

5 comentários:

telmyy disse...

Gosto de filmes de terror, qb.
sinceramente.. nao tenho visto nnhum ( dos mais recentes) que me tenho assustado muito muito .
obg pela sugestão :) *

Frequência Jovem disse...

A sugestão é de dois "simpáticos" filmes de terror. Nada de expectativas exageradamente altas xD

FJ

floccinaucinihilipilification disse...

Vi o trailer desse Motel e pareceu-m razoavel...Mas bom mesmo é o Planet Terror, eu sei k ainda nao estrou e nem sei como o vi (lol), mas acreditem k vi e gostei!tem akelas punchlines k um filme destes merece e depois inserido antes de Death Proof de tarantino tem outra qualidade! Aconselho verem a versão k saiu la fora de Grindhouse com a junção dos dois filmes e ainda akeles trailers ficticios!
já que falo de aconselhar, aconselho uma série k nao passa em portugal e creio ser recente nos EUA, 'Californication'. Descobri-a p ter o nome do meu album favorito (k tb eh o meu nick, cali4nick8) e sakei-a para ver como seria. É com o David Duchovny, o k so de si promete e é completamente despida de tabus. sabe bem ouvir la frases inteligentes e com piada!

Frequência Jovem disse...

Já que falas no Planet Terror, deixa-me dizer que, apesar de não ter escrito (ainda) nada sobre Death Proof, adorei-o completamente. E não perebo algumas críticas negativas ao filme: death proof é Quentin Tarantino puro! E daí ter altas expectativas em relação ao planet terror, pena que não saia a versão original Grindhouse. Mas, como tu, e sem saber como, acho que o vou conseguir ver...xD
A série não conheço, mas puseste-me curioso...

FJ

sa disse...

pois tbém fui ver o filme neste fim de semana e concordo em muito do que escreves. 1408 conta com boas interpretações, tem umas transicções de cenas (montagem) que conseguem o efeito desejado: de suspense e terror. o filme condensa-se num único cenário mas está de parabéns.